quinta-feira, 17 de junho de 2010

Para pensar

Devo ao meu amigo Gilvan Cavalcanti de Melo, organizador e animador do excelente blog Democracia Política e Novo Reformismo, a descoberta da reflexão feita por Giuseppe Vacca que reproduzo abaixo. Vale a pena pensar nela.
Aparentemente, estamos todos de acordo ao afirmar que toda uma época terminou. Mas, quando uma época termina, se não conseguirmos pensá-la com conceitos novos, diferentes daqueles que capturaram a mente de quem a viveu, das duas uma: ou não é verdade que ela terminou, ou quem continua a representá-la com os conceitos do passado talvez não saiba, mas na realidade morreu intelectualmente com ela.

(Giuseppe Vacca, Por um novo reformismo. Rio de Janeiro, Fundação Astrojildo Pereira / Editora Contraponto, 2009, p. 160).

5 comentários:

Júlio Andrade disse...

Interessante reflexão.

Se por um lado, em um olhar introspectivo, as palavras de Vacca me trazem alento por deslindar algumas de minhas inquietações, por outro, em um olhar mais externalizado, me traz angústia por ver tantos intelectuais zumbis. Mortos intelectualmente, mas que continuam bradando.

Achei muito feliz a reflexão de Vacca e fiquei mais feliz ainda pois, relendo o livro "Em defesa da Política" me peguei a pensar na frase "O problema é que nem tudo que morre é enterrado" (p.17). Uma bela coincidência (fúnebre talvez) pois pensava justamente na dificuldade de se abandonar o velho, o passado, o conforto e abraçar o novo, o devir, o desconhecido.

E neste sentido a reflexão de Vacca foi certeira: a resistência com o novo nos empurra invariavelmente para a condição de mortos-vivos intelectuais.

Lembrando a bela interpretação de Elis Regina, penso: "o novo sempre vem". Mas como manter a coerência, a critica em meio a tempos tão modernos e tão frívolos?

M. A. Nogueira disse...

Julio:
recebi teu email e vou te responder assim que voltar pra SP. Estou viajando demais e quase não tenho parado em casa.
Gostei muito do teu comentário.Foi ao ponto certo e expressou a angústia maior do nosso tempo. Intelectuais zumbis são um problema grave, pois as idéias e modos de pensar grudam na gente como uma segunda pele.
Abraço

Celso P. Neris Jr. disse...

Pensar, pensar

Acho que na sociedade actual nos falta filosofia. Filosofia como espaço, lugar, método de reflexão, que pode não ter um objectivo determinado, como a ciência, que avança para satisfazer objectivos. Falta-nos reflexão, pensar, precisamos do trabalho de pensar, e parece-me que, sem ideias, não vamos a parte nenhuma.

José Saramago. Revista do Expresso, Portugal (entrevista), 11 de Outubro de 2008

in Outros Cadernos de Saramago.

Os trechos contém uma bela aproximação, não?

Até mais, professor!

Júlio Andrade disse...

OK Professor!

Abraços

M. A. Nogueira disse...

Boa, Celso! Agradeço muito.