sexta-feira, 5 de junho de 2009

Pérolas do futebol



Meu amigo José Antônio Pinho – professor da Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia e editor da excelente revista Organizações & Sociedade (http://www.revistaoes.ufba.br/) – é, como eu e milhões de outras pessoas, um amante do futebol. Sua revista publicará nas próximas semanas um número especial dedicado precisamente a esse esporte, visto como prática, negócio e desafio gerencial.

Acabei de receber um e-mail do Pinho com uma excelente coletânea de frases célebres do mundo do futebol. Agreguei algumas outras à sua lista e reproduzo tudo abaixo.

Como se sabe, muitas das frases consideradas “pérolas do futebol” são inventadas. Alguns dos personagens do universo futebolístico tornaram-se tão famosos e foram tão centralizadores das atenções que impulsionaram a construção de todo um imaginário a partir deles. Foi o caso, por exemplo, de Vicente Matheus (1908-1997), o “eterno” presidente do Corinthians, que mesmo depois de morto continuou a ser referência na área. Suas frases sem pé nem cabeça fizeram-no famoso, completando todo o folclore que se criou a partir de sua conduta irreverente, alegre, fora dos padrões do que se considerava “mundo educado”. Matheus morreu de câncer em 1997. Dez anos depois, quando o Corinthians caiu para a série B, sua viúva Marlene o homenageou: “Ainda bem que o Vicente não viu. Seria mais uma morte para ele”.

São atribuídas a ele algumas pérolas que jamais puderam ser comprovadas: “O Sócrates é invendável e imprestável”, “Depois da tempestade vem a ambulância”, “Agradeço à Antárctica pelas brahmas que nos mandou”, “Vou dar uma anestesia geral para os que estão com a mensalidade atrasada”, "Minha gestação foi a melhor que o Corinthians já teve."

Outro grande personagem foi Dario, o Dadá Maravilha, cuja irreverência concorria com a ingenuidade e a genialidade dentro e fora do campo. Consta que ele mesmo fixou seu slogan: “Com Dadá em campo, não tem placar em branco”. E que costumava se definir sem falsa modéstia: “Artilheiro são outros, eu não sou artilheiro, sou uma máquina de fazer gols”. Para ele, o gol seria “o orgasmo do futebol”. Também é atribuída a ele a conhecida “Tragam-me a problemática, que eu chego com a solucionática.

Garrincha teria de ser igualmente lembrado, e com ele se iniciaria a composição de um verdadeiro elenco de ouro.

Independente de serem falsas ou verdadeiras, as frases são fantásticas. E revelam toda a dimensão cultural (portanto, política e social) do “esporte das multidões”, que tem mesmo, ao menos no Brasil, a cara do povo.

Ao reproduzir algumas delas abaixo, faço o convite para que outros amigos do futebol continuem a completar a lista.

De Vicente Matheus

"Jogador tem que ser completo como o pato, que é um bicho aquático e gramático".

"O difícil, como vocês sabem, não é fácil".

"Se entra na chuva é pra se queimar”.

"Tive uma infantilidade muito difícil."

"Haja o que hajar, o Corinthians vai ser campeão”.

"Peço aos corinthianos que compareçam às urnas para naufragar nossa chapa".

De Dario, o Dadá Maravilha

“Só existem três coisas que param no ar: beija-flor, helicóptero e Dadá”.

"Eu me preocupo tanto em fazer gols, que não tive tempo de aprender a jogar futebol".

“Não existe gol feio, feio é não marcar gols”.

“A área é o habitat natural do goleador, nela ele está protegido pela constituição, se for derrubado é pênalti”.

“Num time de futebol existem nove posições e duas profissões: o goleiro e o centroavante”.

“Bola, flor e mulher, só com carinho”.

De outros

"Quando o jogo está a mil, minha naftalina sobe". (Jardel, ex-atacante de Vasco e Grêmio).

"Clássico é clássico e vice-versa". (Jardel).

"Nem que eu tivesse dois pulmões eu alcançava essa bola". (Bradock, amigo de Romário).

"No México que é bom. Lá, a gente recebe semanalmente de 15 em 15 dias". (Ferreira, ex-ponta esquerda do Santos).

"O clube estava à beira do precipício, mas tomou a decisão correta: deu um passo à frente". (João Pinto, jogador do Benfica de Portugal).

"Eu disconcordo do que você disse". (Vladimir, ex-lateral do Corinthians, numa entrevista à Rádio Record).

"Na Bahia é todo mundo simpático. É um povo muito hospitalar". (Zanata, ex-lateral do Fluminense).

“Estou de regime, e o doutor me proibiu de comer bicarbonato”. (Fabio Baiano, ex-zagueiro de Flamengo, Palmeiras e São Paulo).

“Para fugir do becão, fiz que fui, não fui, e acabei fondo..”. (Nunes, antigo centro-avante do Flamengo).

A partir de agora, meu coração só tem uma cor: rubro-negra”. (Do zagueiro central Fabão, ao ser contratado pelo Flamengo).

"Não tem outra, temos que jogar com essa mesma". (Reinaldo, centro-avante do Atlético-MG, ao responder ao repórter que queria saber se ele ia jogar com aquela chuva).

7 comentários:

cláudio andré disse...

Olá Professor. Reabri meu blog sob novo rótulo, falando de tudo um pouco. é o www.pilulasdebinoculo.blogspot.com

Elias Canuto Brandão disse...

Olá Marco. Acabo de visitar seu blog que nem sabia existir. Muito bom mesmo. Parabéns. A partir de hoje, fará parte de meu link: "blogs nacionais". Abraços.

Elias Canuto Brandão
www.elias-brandao.blogspot.com
www.dicionariopopular.blogspot.com
www.dnadaspalavras.blogspot.com

Caio N. disse...

gostei pai!
tem umas frases bem engraçadas e o texto ficou otimo!!
Abraço

Marco Aurélio Nogueira disse...

Claudio e Elias:
prazer em saber de vocês. Muito bons os respectivos blogs. Vou linká-los ao meu. Apareçam sempre!

Caio:
vc é suspeito quando elogia... Mas eu adoro. Mas quero contribuições substantivas, no caso frases pérolas!

Caio N. disse...

esse texto seu tem tudo a ve com a musica de gabriel o pensador, que diz: Por isso que o Brasil é bom de bola, pois
futebol não se aprende na escola!

Ele faz uma comparação do futebol, e da condição socieconomica dos brasileiros, emfim nada que nós (que vamos a escola) não sabemos.

Aí vão algumas outras perolas!

"Não sei, chutei, a bola foi indo, indo.... e iu!"
Nunes, ex-atacante do Flamengo ao descrever um gol que tinha feito

"O Santos tava vencendo mas no finalzinho tomamos dois gols e perdemos o jogo"
Valdir, atacante do Santos ao responder a um radialista a pergunta: "O que aconteceu com Santos que tomou dois gols e perdeu no finalzinho do jogo dentro de casa?"

tem várias outras, comentarios inteligentes como esses nao faltam!! hahaha

Rubão disse...

Marco
Já que é assim seguem algumas contribuições para a seção "Pérolas do Futebol":
Frase atriguida ao Alcindo que jogou no Grêmio, quando desembarcou para um jogo em Belém do Pará: "É emocionante conhecer a terra onde Jesus nasceu";
Essa eu ouvi. É do Marco Antonio, um ponta esquerda que jogou no Corinthians, ao ser premiado com um Motoradio pela TV Bandeirantes por ter sido eleito o melhor jogador em campo: "Obrigado. A partir de agora vou me esforçar para ganhar mais rádios";
Essa foi atribuida ao Garrincha (embora o Nilton Santos disse que aconteceu exatamente o contrário) ao vender um radio que tinha comprado em Estocolmo (em 1958): "Essa porra só fala em sueco";
Atribuida ao Garrincha que deixou todo mundo puto da vida ao demorar demais para chutar a bola para o fundo das redes passando-a pelo meio das pernas do adversário: "Também, o zagueiro não queria abrir as pernas de jeito nenhum".
Abraços
Rubão

Carla Diéguez disse...

Caro Professor.
Parabéns pelo seu blog. Adicionei-o aos meus favoritos.
Na linha das frases, tem uma que é atribuída ao Biro-Biro quando presenteado com um Motoradio e perguntado o que faria com o prêmio: "A moto eu vai ficar para mim e o rádio eu vou dar para a minha mãe".
Grande abraço!